Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

Sex | 07.05.21

Viver o momento (nas Maldivas)

fullsizeoutput_580bFoto: Travellight 

Quando cheguei à praia o sol começava a despedir-se. O céu estava pintado de tons suaves e as ondas do mar murmuravam baixinho, quase silenciosas…

Chamavam por mim, sedutoras. 

Não me fiz rogada e entrei.

Molhei o corpo, depois a cabeça e finalmente mergulhei. Deixei-me estar um pouco debaixo de água, como se estivesse dentro do útero da Mãe Natureza.

O tempo ficou suspenso...

O mar tem em mim esse efeito calmante e rejuvenescedor que ajuda a clarear a mente e a criar novas perspetivas. Estar perto do oceano ou dentro do mar é uma forma de relaxar e re-conectar com a minha alma.

Poucas vezes na vida me senti tão FELIZ!

Poder estar ali, nas Maldivas, numa ilha de beleza indescritível, cercada de paz e sossego, longe de preocupações, pandemias e outros medos. Onde, de repente, os minutos precisos e exatos que normalmente contam uma hora ou um dia, parecem se transformar em algo mais onírico, mais maravilhoso, mais suave, deu um verdadeiro sentido à palavra “abençoada”.

Conhecem a expressão “estou no tempo da ilha”?

Na superfície a expressão, sugere uma abordagem mais relaxada em relação ao relógio, quando de férias, começamos a desligar do ritmo exigente do mundo exterior e do stress da vida quotidiana e abrandamos. Mas “o tempo da ilha” também pode ser algo mais significativo. Pode se referir, por exemplo, ao  conceito de tempo bem gasto.

… E como é bem gasto o tempo passado nas Maldivas.

Tudo começa com uma jornada através da água. Um voo de hidroavião transporta-nos sobre ilhas e atóis que lá em baixo, brilham em tons de azul pavão e azul turquesa.

Quando pisamos o cais, o som do oceano chega aos nossos ouvidos e a brisa suave do mar faz-nos virar a cabeça para contemplar a vista da praia de areia branca e das palmeiras, que ao longe balançam indolentes.

Por um segundo, tens de perguntar se estás a sonhar, porque é difícil acreditar que um lugar tão lindo exista realmente...

Uma bebida refrescante e uma compressa fria interrompem o devaneio e, em menos de nada estamos a caminho de uma villa sobre a água.
A porta abre-se, e tu não consegues parar de sorrir enquanto vês tudo e corres animadamente, como uma criança, para o deck que fica na frente da villa.

À tua frente, estendendo-se no horizonte, só o oceano. A água é tão azul que não parece real.

Espreitas na beira do deck, e reparas num cardume de peixinhos que nadam alegres lá em baixo.

É servido um sumo natural e o resto da tarde é perdido em risos, admiração e descoberta, enquanto deslizamos da espreguiçadeira para a piscina, da piscina para o oceano e do oceano para a espreguiçadeira... repetidamente.

O tempo na ilha significa andar perdidos… mas no bom sentido.

É esquecer da vida lá fora nos longos passeios que fazemos descalços pelo areal, é sentir o calor suave do sol da manhã nos ombros e ouvir o canto dos pássaros ou o bater de asas de um morcego.

É passear de caiaque e ganhar a tarde num local recém-descoberto, perfeito para snorkel, onde és ultrapassada por um polvo que muda de cor à tua frente e vês raias e tubarões do recife e peixes incrivelmente coloridos a debicar nos corais…

O tempo na ilha leva o seu tempo…

Em almoços demorados à sombra da palmeira e jantares ainda mais demorados à luz de velas, com os pés na areia, e uma taça (ou duas) de vinho branco, acompanhada de frutos do mar frescos e cheios de sabor.

O tempo na ilha termina devagar…

A assistir ao pôr do sol numa rede à beira do mar, com os pés a balançar sobre a água ainda quente e nuvens cor de laranja que parecem pegar fogo ao céu.

Talvez termine com um passeio de barco ou com um mergulho na escuridão da meia-noite — tão assustador, como excitante.

O tempo na ilha tem tudo a ver com conexão — não apenas com os ritmos do mar e do sol ou com as maravilhas da natureza, mas também com aqueles que amas e que tens a sorte de ter perto de ti.

Quando o tempo se torna menos sobre velocidade e mais sobre o prazer do momento, as conexões aprofundam-se e as memórias tornam-se inesquecíveis.

Todos nós precisamos de um lugar onde possamos experimentar a magia de viver, e é claro que não é preciso viajar para tão longe para o fazer, mas quando essa possibilidade existe, principalmente depois de um período de tamanho isolamento como o que tivemos de passar, tudo fica mais especial, mais forte, mais extraordinário.

Não queres partir, mas sabes que a magia está exatamente aí, em viver uns dias de sonho e depois voltar à realidade.

“On Earth there is no heaven… but there are pieces of it”

 

Se tiverem curiosidade, espreitem as pequenas stories das Maldivas que partilhei recentemente no Instagram (estão nos destaques) 

Tchau!
Travellight

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.