Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

Sex | 12.03.21

Roteiro de 7 dias pela Região Demarcada dos Vinhos Verdes

fullsizeoutput_568aFoto: PxHere

A Região dos Vinhos Verdes é uma das mais belas regiões vinícolas do nosso país. Originalmente demarcada em 1908, estende-se por todo o noroeste de Portugal, na zona tradicionalmente conhecida como Entre-Douro-e-Minho. Em termos de área geográfica é a maior Região Demarcada Portuguesa, e uma das maiores da Europa. Os seus vinhos leves e frescos alcançaram fama mundial e são perfeitos para saborear nos dias mais quentes do ano ou para conjugar com agradáveis atividades primaveris como um piquenique nas vinhas.
Mas atenção, um passeio por estas paisagens deslumbrantes não se fica apenas pela visita a algumas das melhores adegas portuguesas. Há muito mais para fazer!

Há cidades históricas e vilas pitorescas para descobrir; exemplos únicos de arquitetura para apreciar e deliciosas iguarias regionais para provar.

Fica aqui a sugestão de um roteiro de 7 dias para explorar quando o confinamento acabar 😃

Dia 1 - Amarante, Quinta da Lixa

Comecem o vosso périplo partindo da cidade do Porto com destino a Amarante, e hospedem-se no Hotel Monverde - Wine Experience, recentemente eleito um dos vencedores do 2021 International Best Of Wine Tourism. O projeto do Hotel Monverde nasceu entre as vinhas da Quinta da Lixa, e o conceito dos quartos, que são amplos e despretensiosos, passa essencialmente pela sua integração na ideia geral do hotel, que é ligar o alojamento à exploração e produção de vinho, promovendo o contacto direto dos hóspedes com o património cultural e paisagístico envolvente.

Usufruam da experiência Wine Lover , uma atividade interativa que inclui, entre outras coisas, uma prova de vinhos intitulada “Viagem pelos Vinhos Verdes”; a possibilidade de ser enólogo por um dia, elaborando o seu próprio vinho e um jantar vínico “4 momentos” com harmonização;

Dia 2 - Amarante e Serra do Marão

Descubram Amarante, uma cidade que respira História, onde podemos encontrar igrejas interessantes, uma ponte medieval e confeitarias de doces conventuais e restaurantes que servem os sabores da região com bom vinho a acompanhar.
Não deixem igualmente de visitar o Museu dedicado ao pintor português, natural de Amarante, Amadeo de Souza-Cardoso.

Passem a tarde “refugiados” na natureza e visitem a Serra do Marão. Explorem locais como o miradouro de Nossa Senhora de Moreira e deixem-se deslumbrar pela beleza da paisagem.

Dia 3 - Guimarães e Braga

Deixem Amarante, após o pequeno-almoço e sigam até Guimarães. Façam um passeio a pé pelo seu centro histórico, Património Mundial da UNESCO; visitem o Castelo, o Paço dos Duques e a Capela de São Miguel.
Almocem na esplanada de uma das bonitas praças e sigam na parte da tarde para Braga.

Situada em plena região dos Vinhos Verdes, Braga é uma das cidades mais antigas e bonitas de Portugal. Foi construída há mais de 2.000 anos, é uma cidade com muita História, mas com uma vibração muito jovem e este ano foi eleita Melhor Destino Europeu 2021.

Não deixem de visitar a Sé e o santuário do Bom Jesus do Monte. Hospedem-se no centro da cidade. O Hotel Vila Galé é uma boa opção.

Dia 4 - Ponte de Lima

Sigam até Ponte de Lima. Admirem a ponte romana que deu o nome a esta antiquíssima e belíssima vila, que recebeu o seu primeiro foral em 1125 das mãos de D. Teresa de Leão, a mãe do primeiro rei de Portugal. Almocem num dos restaurantes locais. Muitos deles servem o popular arroz de sarrabulho (carne e arroz cozido em vinho tinto e sangue de porco) e rojões à moda do Minho (porco marinado e guisado com sangue de porco). É uma autêntica experiência gastronómica portuguesa, sobretudo quando acompanhada por um vinho verde tinto servido numa taça de cerâmica.

Parem no Parque do Arnado, um jardim temático que permite fazer uma viagem pela história da arte dos jardins, cujas raízes estão profundamente ligadas à cultura rural; Espreitem a Igreja Matriz e o Museu do Brinquedo Português e a seguir relaxem numa das esplanadas do Largo de Camões que é, juntamente com a ponte, o postal de Ponte de Lima. Este largo fica no centro da parte histórica e é a sala de visitas da vila. Destaca-se o monumental chafariz no centro do largo que data de 1603 e os típicos edifícios antigos que o rodeiam.

Terminem a visita no Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde. Para além de descobrirem a história deste vinho português, podem igualmente conhecer os utensílios e os meios de transporte usados pelos viticultores. No fim da visita, é possível fazer uma degustação de vinho verde.

Hospedem-se na Quinta do Ameal - Wine & Tourism, uma das mais charmosas quintas da Região Demarcada dos Vinhos Verdes. Situada no vale do rio Lima, a Quinta do Ameal é uma propriedade histórica com registos desde 1710, que deslumbra os visitantes com a sua rara beleza natural. Lado a lado, com a margem do rio Lima, estão 30 hectares de vinha que produzem uvas excecionais.

Aqui nascem maravilhosos vinhos feitos a partir da casta portuguesa Loureiro que atinge a sua maior expressão aromática e gustativa, no incrível Vale do Lima.

Na Quinta do Ameal podemos viver experiências únicas, em conforto e harmonia com a área envolvente. Além das degustações de vinho e das magnificas suites que oferecem toda a privacidade e tranquilidade, os hóspedes da propriedade podem usufruir de um jardim, piscina, passeios, piqueniques e atividades no rio Lima.

Dia 5 — Melgaço e Monção

Partam de manhã bem cedo com destino a Melgaço, uma bela cidade fronteiriça com vista para o Rio Minho.

Localizada junto à Galiza, a povoação de Melgaço desenvolveu-se à volta do castelo mandado construir pelo primeiro rei de Portugal D. Afonso Henriques no séc. XII.

Façam um passeio rápido pelo centro e de seguida dirijam até ao Solar do Alvarinho, onde poderão experimentar as diversas variedades deste vinho único no mundo. Este espaço além de divulgar, promover e comercializar o Vinho Alvarinho também recebe actos culturais, recepções e reuniões, bem como dá a degustar e comercializa produtos típicos como o mel e as tradicionais carnes fumadas. Comprem alguns destes produtos e façam um belo piquenique.

Após o almoço, explorem as redondezas onde vão encontrar belos monumentos em estilo românico como o Mosteiro de Fiães e as Igrejas da Senhora da Orada e de Paderne. Se tiverem tempo, não deixem de fazer uma paragem na aldeia tradicional de Castro Laboreiro, cuja fundação remonta à Idade do Ferro.

De Castro Laboreiro sigam para Monção, onde podem passar a noite no bonito Solar de Serrade

Debruçada sobre o rio Minho, com os seus aprazíveis terraços e miradouros, como a esplanada dos Neris, ninguém diria que Monção já foi palco de ferozes combates travados noutros tempos entre os reinos de Portugal e Castela. O rei português D. Afonso III deu-lhe carta de foral em 1291 e, em 1306, D. Dinis mandou construir o velho castelo defensivo, cujas muralhas ainda hoje acolhem os visitantes e guardam o centro histórico, onde os monumentos da Igreja Matriz, da Igreja da Misericórdia e da Igreja de Santo António dos Capuchos têm lugar de destaque.

Nos arredores, a Igreja de Longos Vales, exemplo precioso da arquitetura românica, merece uma visita antes da necessária paragem no nobre Palácio da Brejoeira, onde se produz o famoso vinho verde Alvarinho.
É uma casa senhorial, circundada por muros altos com um frondoso parque de essências arbóreas pouco vulgares. Integra um bosque, jardins de estilo inglês, um lago, uma capela, uma adega e 18 hectares de vinha da casta Alvarinho.

Dia 6 - Viana do Castelo e Barcelos

Na manhã do sexto dia, deixem Monção em direção a Viana do Castelo. Chegando lá, hospedem-se na Quinta do Paço D'Anha, uma propriedade com piscina e vista para a cidade de Viana que permite aos seus hóspedes visitar as vinhas e adegas onde é produzido o requintado vinho verde branco Paço d’Anha, que podemos provar no local.

Explorem as ruas medievais de Viana do Castelo e visitem a magnífica Basílica de Santa Luzia. Almocem num dos restaurantes de peixe e marisco da cidade, como a Tasquinha da Linda, um restaurante instalado num antigo armazém de pesca que recebeu o galardão Bib Gourmand do Guia Michelin. Aqui só servem peixe e marisco e a ementa varia consoante o que o mar oferecer nesse dia.

Na parte da tarde aproveitem para conhecer Barcelos.
Visitem a bonita cidade, o seu centro histórico e (re)descubram a famosa lenda do galo de Barcelos.

Parem na Quinta de Paços, uma empresa detida pela mesma família há mais de 400 anos que explora um património agrícola de 200 hectares. Tentem marcar uma degustação para experimentar os seus excelentes vinhos.

Regressem à Quinta do Paço D'Anha para dormir.

Dia 7 - Penafiel e regresso ao Porto

De manhã sigam para Penafiel para uma visita à maior adega da região — a Quinta da Aveleda. A sala de degustação e os jardins circundantes com as suas espécies raras de árvores valem, por si só, a viagem!

Estão disponíveis workshops, visitas e provas de vinhos, experiências gastronómicas e petiscos (reservem com antecedência).

Terminem a vossa viagem, regressando à cidade do Porto.

 

Sigam-me no Instagram e no Facebook

Tchau!
Travellight

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.