Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

Qua | 19.05.21

O Trilho do Flamingo | Salinas do Samouco

Muitos não sabem, mas às portas de Lisboa, em pleno estuário do Tejo, existe uma das zonas de maior riqueza ambiental da Europa — as Salinas do Samouco.
É um espaço de contacto privilegiado com a Natureza e permite ao visitante conhecer e perceber a importância que teve para aquela região, a industria da extração do sal. É um lugar único que une a biodiversidade a um relevante património sociocultural.

fullsizeoutput_582bFotos: Travellight e H. Borges

A Reserva Natural Salinas de Samouco, é um estuário que fica localizado entre Alcochete e o Montijo, na margem esquerda do Rio Tejo. São 360 hectares de ambiente natural, constituídos em grande parte por salinas e um intrincado sistema de canais e tanques.

Há muito que o queria visitar, mas só no último fim de semana tive essa oportunidade.

Apesar de ter sido informada que ali viviam cerca de 250 espécies de aves, incluindo flamingos, para ser sincera, não ia à espera de ver muito e no final acabei verdadeiramente surpreendida e de coração cheio com tanto que vi.

As Salinas do Samouco albergam hoje, para além da produção de sal, um projeto ecológico e ambiental de proteção e conservação, sendo um local de alimentação, refúgio e nidificação de milhares de aves e outras espécies.

O Trilho do flamingo (4 km com dificuldade reduzida) e do Pernilongo (7 km com dificuldade média) são os dois passeios que podem ser realizados nesta área natural e, através dos quais, podemos conhecer a importância do salgado e observar in loco as aves estuarinas.

Várias aves migratórias repousam aqui depois dos seus longos voos e algumas espécies fazem desta área, que se altera com as marés, o seu lar todo o ano.

É possível fazer uma visita guiada, mas optamos por ir ao nosso próprio ritmo e seguir o Trilho do Flamingo.

Logo no inicio fomos brindados por uma série de (barulhentos e adoráveis) pernilongos.

A paisagem era de tirar o fôlego...

fullsizeoutput_582dfullsizeoutput_582cfullsizeoutput_582afullsizeoutput_582efullsizeoutput_582ffullsizeoutput_5831fullsizeoutput_5834fullsizeoutput_5832

Ao longe, primeiro e depois de perto, vimos bandos de flamingos. Eram muitos e a certa altura levantaram voo… Foi um espetáculo de beleza única… Pura poesia.

As fotografias não o conseguem transmitir. É preciso estar lá.

fullsizeoutput_5841fullsizeoutput_5842

fullsizeoutput_5846

Pelo caminho encontramos também dezenas de simpáticos burros mirandeses que ali estão ao abrigo de um projeto de conservação.

Vi também vários coelhos, rápidos de mais para pousar para a fotografia.

fullsizeoutput_5838fullsizeoutput_5836fullsizeoutput_5837

Mais ou menos a meio do percurso, chegamos à Marinha do Canto, a única salina neste local que se mantém em funcionamento.

O complexo centenário do Samouco, remonta ao século XIII e era originalmente constituído por 56 salinas. Foi durante muitos anos, o principal produtor de sal do país, mas representa muito mais do que isso, representa parte da história e cultura de um povo — os alcochetanos.

O sal, era nesta região o sustento de muitas famílias. Chamavam-lhe o “ouro branco” e, Alcochete, foi, durante muito tempo, o principal núcleo de produção desta riqueza que, depois de extraído, era transportado para Lisboa, onde era vendido e exportado.

A extração do sal era uma tarefa árdua. Nessa época as pessoas trabalhavam "de empreitada, das 03.00 às 08.30 para tirar sete molhos de sal, que eram cinco toneladas e meia, e corriam 140 metros com a canastra de 48 a 60 quilos à cabeça para despejar o sal na serra”.
O trabalho de rapação (rapar o sal da salina e juntá-lo com o rodo) também era pesado. A água salgada muito saturada fazia a pele envelhecer rapidamente… As marcas físicas eram muitas e a compensação na carteira, muito fraca.

Atualmente a produção de sal nas Salinas do Samouco é feita sobre os moldes artesanais, com todo o rigor e com uma dedicação extrema, dando origem a um sal da mais alta qualidade. O sal e flor de sal extraídos artesanalmente dos cristalizadores preservam as propriedades da água marinha e são excelentes não só para a gastronomia, mas também para a utilização em tratamentos medicinais, cosmético e spas.

fullsizeoutput_583d

fullsizeoutput_583cfullsizeoutput_583e

O período de extração do sal começa normalmente em maio, quando terminam as chuvas da primavera, e vai até o final de setembro, com as primeiras chuvas do outono.

Quem quiser conhecer mais sobre esta atividade pode ser “Salineiro por um dia”, basta marcar no site das Salinas do Samouco .

DICA: Se visitarem as Salinas não se esqueçam de levar protetor solar e repelente de insectos. São duas coisas absolutamente essenciais.

fullsizeoutput_584dfullsizeoutput_5835

Gostei muito da visita a este lugar de paisagem única produzida pelo alinhamento das salinas e por um magnifico património natural.

Sigam-me no Instagram e no Facebook

Tchau!
Travellight

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.