Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

Ter | 25.05.21

Guia para viajar pela Europa no verão de 2021

Alguns países europeus já estão a permitir a entrada de viajantes vacinados ou com testes negativos, mas as informações são tantas e tão diversas que por vezes se podem tornar confusas. Partilho por isso aqui, um guia (atualizado ao dia de hoje) com alguns dos destinos turísticos mais populares do continente e indicação do que esperar e do que é necessário para visitar.

fullsizeoutput_588e

Grécia

Situação no país

A Grécia está a recuperar da última vaga de coronavírus, que atingiu o seu pico no início de abril. De lá para cá a média diária de casos tem vindo a descer sistematicamente e a 18 de Maio, 28% da população já tinha recebido pelo menos uma dose da vacina. Mais de 16% estava totalmente vacinada.

Aqueles que trabalham na indústria de turismo do país tem prioridade na vacinação, assim como várias ilhas. O ministro da saúde grego anunciou na semana passada que os residentes de ilhas que recebem muitos turistas como Mykonos, Santorini e Corfu são os próximos na fila para receber a vacina.

À medida que o governo descarta as várias restrições do confinamento, a vida na Grécia começa  a voltar ao normal.

Sítios arqueológicos ao ar livre foram reabertos no início desta primavera, enquanto restaurantes e cafés mais uma vez começaram a oferecer serviço de esplanada (com um máximo de seis pessoas por mesa). Os cinemas ao ar livre iniciaram a sua temporada de verão em 21 de maio, enquanto spas, centros de bem-estar e teatros ao ar livre estão programados para reabrir antes do final do mês.

O recolher obrigatório permanece em vigor, das 0h30 às 5h e os serviços de ferry para as ilhas estão a funcionar com capacidade limitada e uso obrigatório de máscara.

santorini_greece_architecture_cyclades-728711.jpg!d

Requisitos de entrada

Ao entrar no país os viajantes devem apresentar um certificado de vacinação, um teste de coronavírus negativo com não mais de 72 horas ou prova de recuperação da Covid-19 nos últimos nove meses.

Os passageiros também podem ser submetidos a testes rápidos aleatórios no aeroporto; qualquer pessoa com resultado positivo será alojada num hotel local por pelo menos 10 dias, junto com os seus companheiros de viagem, às custas do governo grego. Qualquer pessoa que planeie viajar de avião dentro do país estará sujeita aos mesmos requisitos que aqueles que chegam do exterior.

Todos os viajantes devem preencher um impresso PLF (Passenger Locator Form) até ao dia anterior à entrada e saída do país, fornecendo informações detalhadas sobre o seu ponto de partida, a duração de estadias anteriores em outros países e o endereço da sua estadia na Grécia. Em caso de estadias múltiplas, devem fornecer o endereço das primeiras 24 horas, pelo menos. Deve ser apresentado um PLF por família.

Mais detalhes sobre as regras de entrada podem ser encontrados aqui.

Antes da partida, todos os viajantes devem se certificar de que possuem a documentação certa sobre o seu estado de saúde. Os documentos aceitáveis incluem:

- Um resultado de teste molecular de PCR negativo feito em laboratório (o teste deve ser feito até 72 horas antes da entrada).

- Um certificado de vacinação emitido por uma autoridade certificada.
Todos os certificados devem incluir informações como o número de doses e suas respetivas datas, em inglês, alemão, francês, italiano, espanhol ou russo e o nome completo da pessoa deve corresponder ao nome que consta no passaporte ou em qualquer outro documento de viagem reconhecido.

- Um certificado de recuperação da infeção pelo vírus SARS-CoV-2 emitido por uma autoridade pública ou um laboratório certificado.

- Um certificado de um resultado de teste molecular PCR positivo, confirmando que o titular se recuperou da infeção pelo vírus SARS-CoV-2, realizada pelo menos 2 meses antes da chegada, e não mais do que 9 meses antes da chegada.

Islândia

waterfall_rainbow_river_water_cascade_spray_nature_landscape-680897.jpg!d

Situação no país

Desde janeiro, a Islândia teve poucos casos confirmados do coronavírus. A contagem diária está atualmente em um dígito, depois de um aumento relativamente acentuado em meados de abril (onde chegou aos 27 casos diários).
Em 20 de maio, cerca de metade dos islandeses adultos tinham recebido pelo menos uma dose da vacina. A maioria das pessoas totalmente vacinadas tem mais de 60 anos e as autoridades esperam terminar de vacinar a faixa etária mais velha, pessoas com condições médicas pré-existentes e trabalhadores essenciais da linha de frente no final de maio.

A Islândia superou a pandemia sem nunca ter de recorrer às paralisações sociais e económicas quase totais aplicadas em muitos outros países europeus. O sucesso é em parte devido à sua diminuta população, mas também é o resultado de uma ação rápida e decisiva das autoridades que investiram na testagem muito cedo.

Bares, restaurantes, museus, ginásios - quase tudo - permanecem abertos. O uso da máscara é obrigatório em ambientes fechados e essa regra é rigorosamente aplicada.

Requisitos de entrada

Visitantes vacinados com certificado de vacinação aprovado ou comprovativo de infeção anterior devem se submeter a um teste PCR, que é fornecido gratuitamente no aeroporto, e ficar em quarentena até que o resultado do teste seja negativo; os resultados são revelados em 24 horas por meio de uma aplicação de rastreamento local.

Os turistas não vacinados precisam de ficar em quarentena por cinco dias num hotel indicado pelo governo (a estadia é gratuita). Antes da chegada, o turista precisa de se registar e fornecer um teste PCR negativo com, no máximo, 72 horas.

Mais detalhes sobre as regras de entrada podem ser encontrados aqui

Os voos domésticos operam sem nenhum requisito além do uso de máscara facial, e o transporte público geralmente funciona num horário normal.

Itália

venice_italy_gondolas_channel-641921.jpg!d

Situação no país

A Itália parece estar a sair de uma terceira vaga da pandemia que atingiu o seu pico em março. Novos casos e óbitos estão em constante declínio.
Mais de 17% dos adultos estão totalmente vacinados e 38% estão pelo menos parcialmente vacinados, de acordo com o E.C.D.C.

A Itália regula as restrições com um sistema que coloca cada uma das suas 20 regiões numa escala branco-amarelo-laranja-vermelho, o que às vezes pode resultar em diferenças significativas em todo o país. Atualmente, a maior parte da Itália está listada como “amarela”, com pequenas restrições.

Bares e restaurantes estão abertos para serviço de esplanada  (o atendimento no interior será permitido a partir de 1 de junho).

Continua a vigorar o recolher obrigatório às 23:00, mas em 7 de junho conta-se que o horário passe para a meia-noite e, se a situação continuar a melhorar, o recolher obrigatório será revogado até ao final de junho.
Museus e teatros estão abertos, mas com capacidade reduzida. As máscaras são obrigatórias para qualquer pessoa acima dos 6 anos, em ambientes exteriores e interiores. Os parques temáticos serão abertos em junho.

Requisitos de entrada

A Itália faz uma distinção entre turistas e quem viaja por outros motivos, como trabalho ou estudo. Visitantes da União Europeia,, Israel e Grã-Bretanha podem visitar a Itália sem quarentena, independentemente do motivo, mas precisam de fazer o teste.

A Itália adota a sua própria classificação nacional de áreas de risco, portanto, as restrições de viagem para a Itália não são baseadas no mapa de cores da E.C.D.C.

Regras específicas e atualizadas estão disponíveis aqui .

Em caso de permanência ou trânsito por um país da "Lista C" (onde se inclui Portugal) durante os 14 dias anteriores à entrada na Itália, a entrada é permitida sem a necessidade de especificar o motivo da viagem.

Todos os viajantes estão sujeitos à exigência de um teste COVID-19 negativo antes da partida. O teste deve ser feito 48 horas antes da chegada a Itália.
Teste aceite: molecular (PCR) e antigénio.
Crianças menores de 2 anos estão isentas.

Todos os viajantes devem preencher o Formulário de Localização de Passageiros digital  e notificar o departamento de prevenção da autoridade de saúde responsável pela área da sua entrada (ver esta página)

A partir de 16 de maio, nenhuma quarentena é imposta aos viajantes que chegam dos Estados-Membros da UE e dos países do espaço Schengen que podem apresentar um teste COVID-19 negativo antes da partida.
Se não se puder apresentar prova de um teste molecular ou antigénio, pode-se na mesma entrar na Itália, mas nesse caso é necessário:
- Auto isolar-se por 10 dias no endereço fornecido no formulário digital de localização de passageiros
- Fazer outro teste molecular ou antigénio no final do auto-isolamento de 10 dias.

Croácia

croatia_dubrovnik_coast_adriatic_mediterranean-741062.jpg!d

Situação no país

Como outros países da Europa, a Croácia experimentou uma terceira onda que parece ter atingido o pico em abril. Desde então, os casos diários têm vindo a diminuir. De acordo com o Centro Europeu para a Prevenção e Controle de Doenças cerca de 31% dos adultos na Croácia receberam pelo menos uma dose de vacina, e quase 10% estão totalmente vacinados.

Bares e restaurantes podem funcionar, mas os clientes devem sentar-se do lado de fora. As únicas refeições permitidas no interior, são dos restaurantes de hotéis.

Lojas, restaurantes e outros negócios fecham às 22h00. Praias, spas termais, parques, jardins zoológicos e a maioria dos museus estão abertos. Casas noturnas estão fechadas.

Requisitos de entrada

Ao contrário de alguns outros países europeus, a Croácia não faz distinção entre turistas e outros viajantes, aplicando as mesmas condições para viagens de lazer ou por razões familiares, essenciais e de trabalho. Os visitantes dos países europeus a verde no mapa da E.C.D.C. (que varia constantemente) podem viajar sem restrições.
Todos os viajantes com idade acima de 7 anos que, independentemente da sua cidadania, chegam de países ou regiões NÃO classificados como "verdes", estão sujeitos à exigência de um teste PCR negativo antes da partida ou teste rápido de antigénio para SARS-CoV-2 listado na lista de Testes Rápidos de Antigénios Mutuamente Reconhecidos pelos Estados-Membros da União Europeia, publicada pela Comissão Europeia.

Os testes devem ser realizados 48 horas antes da chegada. No caso de um teste rápido de antigénio e uma estadia na Croácia de mais de 10 dias, um segundo teste deve ser realizado dentro de 10 dias após o último teste.

As pessoas que se recuperaram do COVID-19 nos últimos três meses estão isentas da obrigação de fornecer um resultado de teste PCR negativo e de se auto-isolar. Para provar a sua recuperação, os passageiros precisam ter um resultado de teste de PCR ou teste de antigénio positivo, ou um resultado de teste de neutralização (NT) positivo obtido nos últimos três meses e mais de 11 dias, ou um certificado de recuperação emitido por um médico.

Pessoas que apresentarem um certificado de vacinação comprovando que a segunda dose da vacina COVID-19 foi recebida há mais de 14 dias, ou a vacina de dose única foi recebida há mais de 14 dias, estão isentos dos requisitos de teste e isolamento.

Todos os viajantes devem preencher o formulário Enter Croatia.

França

fullsizeoutput_588f

Situação no país

O número de casos covid na França tem vindo a cair no último mês, graças à campanha de vacinação acelerada do país e ao confinamento nacional anunciado no final de março.

A 17 de maio, quase 31% da população francesa tinha recebido pelo menos uma dose da vacina e 14% estava totalmente vacinada.


No dia 19 de maio de 2021, a França deu início à segunda etapa para sair do confinamento — antes de seguir para a terceira etapa, definida para começar a partir de 9 de junho. Atualmente já é possível ir a lojas não essenciais, esplanadas e alguns locais culturais,
O recolher obrigatório passou das 19h00 para as 21h00 (até às 06h00). Museus como o Louvre e o Musée d'Orsay também já abriram as portas, assim como teatros, cinemas e locais culturais em todo o país, incluindo o Palácio de de Versailles e a Abadia de Mont-Saint-Michel. A Disneylândia de Paris será reaberta em 17 de junho.

Requisitos como uso de máscara e medidas de distanciamento social, mantém-se, incluindo a limitação de número de pessoas em museus, restaurantes, lojas e outros estabelecimentos.

Requisitos de entrada

A França adota a sua própria classificação nacional de áreas de risco, portanto, as restrições de viagem para a França a partir de um Estado-Membro da UE ou um país do espaço Schengen não são baseadas no mapa de cores da E.C.D.C.

As viagens de, e para a França, continuam a ser desencorajadas, a não ser por motivos de força maior. Quem chega de um país da União Europeia não precisa de fazer quarentena.

Todos os viajantes estão sujeitos à exigência de um teste PCR negativo antes da partida.
O teste deve ser feito 72 horas antes da chegada. Após a chegada, os passageiros também serão submetidos a um teste de PCR.
Se o teste a apresentar não puder ser realizado no país de partida, pode ser solicitado à Embaixada ou Consulado da França um documento específico denominado "Isenção de teste PCR". Neste caso, o viajante será testado à chegada e terá de efetuar uma quarentena obrigatória de 7 dias num estabelecimento de alojamento validado pelas autoridades públicas, com um teste adicional no final do período de isolamento. As despesas de alojamento durante a quarentena são por conta do visitante.

No caso de sintomas do COVID-19, os viajantes deverão ser submetidos a quarentena ou isolamento.

Todos os viajantes devem apresentar uma declaração comunicando que não apresentam sintomas de COVID-19; que tanto quanto sabem, não entraram em contacto com um caso confirmado nos 14 dias anteriores à viagem e que concordam em se submeter a um teste PCR na chegada. Este requisito não se aplica a menores de 11 anos.

As pessoas vacinadas continuam (por agora) sujeitas às mesmas regras (teste PCR e declaração).

Mais informação aqui

Reino Unido

fullsizeoutput_5890

Situação no país

Após meses de medidas restritivas de confinamento e uma rápida operação de vacinação, a taxa de infeção da Grã-Bretanha tem diminuído desde o pico em janeiro, e a curva de novos casos diários achatou-se a partir de abril. Espera-se que o país acabe com as restrições e veja um retorno significativo à vida diária normal até 21 de junho.

Mais da metade da população da Grã-Bretanha recebeu uma dose da vacina contra o coronavírus e o governo pretende oferecer ao resto da população adulta a sua primeira injeção até ao final de julho. Até agora, 31% da população foi totalmente vacinada.

Pubs, restaurantes, teatros, museus, lojas e hotéis reabriram nas últimas três semanas, embora ainda existam restrições de capacidade e medidas de distanciamento social. Enquanto estão do lado de fora, a maioria das pessoas não usa máscara, mas dentro de espaços fechados espera-se que o façam, a menos que estejam num restaurante a comer ou a beber. 

Requisitos de entrada

A Inglaterra desenvolveu um sistema de “semáforo” para visitantes estrangeiros, que determina os requisitos de quarentena e de teste, dependendo do número de casos e da prevalência de variantes do coronavírus nos seus países de origem.
Visitantes de países da lista verde da Inglaterra - atualmente são 12, incluindo Portugal - estão isentos de quarentena, mas são obrigados a fazer um teste PCR antes da partida e dois dias após a chegada.

Apenas cidadãos britânicos e irlandeses e aqueles com residência no Reino Unido têm permissão para entrar na Inglaterra vindos de destinos na lista vermelha. Qualquer pessoa que visite ou passe por um país da lista vermelha nos 10 dias anteriores à chegada no Reino Unido tem de fazer um teste 72 horas antes da sua partida e deve ficar em quarentena por 10 dias num hotel designado pelo governo inglês (e pagar a sua própria estadia).
No segundo e no oitavo dia de quarentena, os viajantes devem repetir os testes de PCR, que devem ser adquiridos com antecedência junto das autoridades britânicas.

O sistema de “semáforos” é revisto a cada três semanas, e as listas de países a verde ou vermelho pode sempre alterar-se.  Mais informações aqui

ESPANHA

sagrada_familia_cathedral_architecture_monument_barcelona_pierre_religion_heritage-919514.jpg!d

Situação do país

Com as taxas de infecção de covid-19 a estabilizarem, a maioria das 17 regiões da Espanha conseguiram relaxar o confinamento e as muitas restrições, permitindo que os espanhóis viajem entre as regiões pela primeira vez em meses.

Nas últimas semanas, a campanha de vacinação atingiu velocidade de cruzeiro e pelo menos 29% da população recebeu já uma dose.

Os restaurantes e bares podem agora permanecer abertos até às 23h00, mas o limite de quatro pessoas por mesa mantém-se. As refeições servidas no interior dos restaurantes devem ser limitadas a 30% da capacidade.

Quatro regiões mantém o recolher obrigatório: as Ilhas Baleares (23h00 até 06h00), as Ilhas Canárias (23h00 até 06h00 na Gran Canária, Tenerife e Lanzarote; 00h00 até 06h00 no resto do arquipélago), Navarra (23h00 até 06h00) e Valência (00h00 até 06h00).

Os cidadãos são aconselhados a seguir as orientações e usar máscaras em todos os momentos nos espaços públicos e nos transportes públicos, e a manter o distanciamento social.

Requisitos de entrada

Todos os viajantes que chegam de áreas de alto risco (indicadas a vermelho no mapa da ECDC) por transporte aéreo ou marítimo estão sujeitos à exigência de um teste COVID-19 negativo antes da partida.
A partir de 30 de março, o mesmo requisito é imposto aos viajantes que cruzam a fronteira terrestre entre a França e a Espanha. Só estarão isentos os que trabalham com transporte e trabalhadores transfronteiriços, juntamente com os que vivem na zona de fronteira (desde que permaneçam num raio de 30 quilómetros da sua residência).

O teste deve ser feito 72 horas antes da chegada.
Teste aceito: PCR, TMA ou outras técnicas moleculares.
Crianças menores de 5 anos estão isentas.

O certificado ou documentação de apoio devem ser documentos originais e devem ser redigidos em espanhol, em inglês, em alemão ou em francês.
Caso não seja possível a sua obtenção nestas línguas, o certificado ou a documentação deve vir acompanhada de uma tradução para o espanhol efetuada por uma entidade oficial. Pode ser apresentado em papel ou em formato eletrónico.

O documento deve conter, no mínimo, as seguintes informações:
- Nome do viajante, passaporte ou número de identificação
- Data do teste
- Identificação e contacto da clínica que realizou a análise
- A técnica usada
- Um resultado negativo

O número de identificação pessoal (ou número do passaporte) usado para obter o código QR deve ser o mesmo que o número de identificação que aparece no certificado COVID-19 negativo.

A quarentena não é necessária para quem vem de um país da Comunidade Europeia.

Um formulário Spain Travel Health deve ser preenchido e assinado eletronicamente antes da chegada a Espanha. Após a assinatura, o viajante recebe um código QR que deve ser apresentado à chegada a Espanha (só é válido em formato digital. No entanto, por motivos justificados poderá ser apresentado em papel antes do embarque). Todos os viajantes devem preencher o formulário, incluindo crianças de qualquer idade.

Regras específicas para as Ilhas Canárias

Todos os viajantes para as Ilhas Canárias estão sujeitos à exigência de um teste COVID-19 negativo antes da partida.
O teste deve ser feito 72 horas antes da chegada. Os testes aceites são PCR e antigénio rápido.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.