Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

Qua | 12.01.22

Entardecer em Estremoz

Caminho por Estremoz ao entardecer... passo por ruas silenciosas, medievais, que guardam em si os ecos da História. A cidade branca brilha como prata debaixo do sol poente, o que só faz aumentar a minha paixão pelo Alentejo, que já é grande e vem de longe…

fullsizeoutput_6282Fotos: Travellight e H. Borges

Comecei a caminhada no Rossio, em direção ao Pelourinho quinhentista, classificado como Monumento Nacional. Passei pelo Centro Interpretativo do Boneco de Estremoz, que já tinha visitado, e subi as escadarias até chegar a um arco – A Porta do Sol ou Porta da Frandina — uma das portas principais da cerca medieval mandada construir por D. Afonso III em 1261.

Um pouco mais à frente, do lado esquerdo, passei por uma loja de antiguidades e depois vi a antiga cadeia manuelina (hoje um restaurante). Em poucos passos cheguei à antiga Armaria Real de D. João V, agora transformada em Pousada (atualmente encerrada). Junto a ela, ergue-se a imponente Torre de Menagem que nos recorda a importância estratégica da cidade.

fullsizeoutput_6286fullsizeoutput_6269fullsizeoutput_6283fullsizeoutput_6281fullsizeoutput_6284fullsizeoutput_627dfullsizeoutput_6268fullsizeoutput_6270fullsizeoutput_628d

“Estremoz” dizem, deriva  de "estrema" que significa fronteira ou linha divisória entre dois domínios militares. Desempenhou um papel importante nas lutas contra os mouros e era considerada uma das "vilas mais nobres do reino”. A sua localização estratégica foi também essencial ao longo da Restauração e um reduto da resistência contra os espanhóis. Foi desta terra que D. Nuno Álvares Pereira, o Santo Condestável, partiu para a famosa Batalha dos Atoleiros, onde Portugal, com um pequeno exército, conseguiu em poucas horas, derrotar os poderosos castelhanos e garantir a independência nos anos críticos de 1383-1385.

Em Estremoz ocorreram muitos momentos marcantes da História de Portugal, e um em particular envolveu a Rainha Santa Isabel, que tinha por hábito passar longos períodos nesta povoação e aqui faleceu.

Em 1336, já retirada da vida pública no mosteiro de Santa-Clara-a-Velha em Coimbra, D. Isabel, a viúva do rei D. Dinis e mãe do rei Afonso IV, deslocou-se a Estremoz para mediar a paz entre o seu filho e o rei de Castela, Afonso XI, que se preparava para entrar em conflito armado. D. Isabel tentou restabelecer a paz entre os dois reinos através da sua engenhosa e generosa diplomacia, mas o esforço, infelizmente, foi demais para ela que já se encontrava doente, e pouco depois morreu.

Hoje, uma estátua na praça do Castelo homenageia a Rainha Santa e no castelo, os quartos outrora ocupados por Isabel de Aragão no século XIV foram transformados em capela forrada a mármore, onde pinturas a óleo e azulejos, contam momentos da vida da rainha e os milagres a esta atribuídos.

fullsizeoutput_6276fullsizeoutput_6273fullsizeoutput_626f

Perto da Capela está ainda o Museu Municipal Prof. Joaquim Vermelho, que possui um notável espólio arqueológico e etnográfico e à esquerda da Torre da Menagem podemos ver a Igreja de Santa Maria, uma das obras religiosas mais importantes do fim da Renascença no Alentejo e o Paço de Audiências de D. Dinis que apresenta o brasão de armas de Estremoz, do reinado de D. Afonso IV, em cima da entrada (atual Galeria de Desenho).

fullsizeoutput_6290

Descendo o Arco de Santarém, a meio da Rua Direita, pude ver os Quartéis, mandados construir por D. João IV e a Igreja de Santiago, que estava fechada. Continuando a descer cheguei à Fonte do Espírito Santo e à Torre das Couraças, obra medieval que protegia o principal poço abastecedor do Castelo.

Mais uns passos e vi o Lago do Gadanha, um dos ex-libris da cidade.

O imponente lago, com cerca de 40 metros de comprimento foi mandado construir pelo Senado de Estremoz e aproveita uma das mais importantes nascentes da zona baixa da cidade — a nascente da Fonte Nova.

A conhecida estátua do “Gadanha”, que simboliza o efémero e a fugacidade da vida, é originária do Convento dos Congregados, e foi transposta para o centro do lago apenas em meados do século XIX.

Parte do Convento dos Congregados de S. Filipe de Nery, onde hoje funciona a Câmara Municipal, pode ainda ser visitado, nomeadamente a entrada e as escadarias que estão decoradas com azulejos do séc. XVIII.

Do seu lado oriental, vale também a pena ver a Ermida do Santo Cristo e o Convento de S. João da Penitência ou das Maltesas — único convento feminino da Ordem de Malta, fundado no séc. XVI, que mais tarde abrigou o Hospital da Misericórdia e hoje abriga o Polo da Universidade de Évora e o Centro de Ciência Viva.

O Mercadinho de Estremoz “obrigou-me” a um desvio antes de seguir para a minha última paragem: A Igreja e Convento de S. Francisco, fundado no séc. XIII, onde se destacam três grandes obras: A Capela de D. Fradique de Portugal; o Túmulo de Vasco Esteves de Gata e a Árvore de Jessé do séc. XVII.

Quando saí da igreja, já a noite tinha caído... Era hora de me despedir de Estremoz.

fullsizeoutput_627cfullsizeoutput_6292fullsizeoutput_6293fullsizeoutput_628afullsizeoutput_6291

Para mais inspiração e ideias para férias, escapadinhas e passeios, sigam-me  no Instagram

Tchau!

Travellight

 

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.