Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

Qui | 17.10.19

A Poesia de Gondramaz

fullsizeoutput_4090

“A vida é feita de nadas: De grandes serras paradas; À espera de movimento; De Searas onduladas pelo vento. De casas de moradias, caídas e com sinais, De ninhos que outrora havia nas Beiras; De poeira, de sombra de uma figueira; de ver esta maravilha: meu pai a erguer uma videira, como uma mãe que faz uma trança à filha”

É com este poema de Miguel Torga que a aldeia de xisto de Gondramaz, localizada na Serra da Lousã, concelho de Miranda do Corvo, recebe os seus visitantes.

E como são apropriadas estas palavras…

fullsizeoutput_4086fullsizeoutput_4087fullsizeoutput_4084

fullsizeoutput_4085

Num mundo onde todos andamos a correr, ligados 24h por dia e preocupados com o tempo, chegar a um lugar como este, põe tudo em perspetiva.

Dá-nos espaço para respirar, para partilhar um “bom dia” com a senhora que varre a entrada de sua casa, ou uma gargalhada com o artesão que vende bonecos “malandros” na pequena loja de souvenirs da aldeia.

fullsizeoutput_40a0gondramazfullsizeoutput_40a1

Tempo para parar na capela e rezar uma pequena oração e tempo para sentar no banco de jardim a olhar as árvores.

fullsizeoutput_4089fullsizeoutput_4094fullsizeoutput_4091

Pequena, mas tão bonita com as suas casas em xisto de tonalidade distinta. Restaurada na perfeição.

Gondramaz é hoje a casa de artistas plásticos e local de paragem obrigatória para praticantes de desportos como downhill ou BTT.

É uma das mais belas aldeias de Portugal.

fullsizeoutput_408c

Percorro as suas ruas estreitas e sinuosas, fotografo o gato no telhado e todos os outros pequenos detalhes que encontro pelo caminho, como as pequenas estátuas que evocam santos ou figuras populares mais brejeiras….

fullsizeoutput_408bfullsizeoutput_409cfullsizeoutput_408ffullsizeoutput_408efullsizeoutput_409dfullsizeoutput_4092fullsizeoutput_408dDSC01465

…E outro poema ecoa na minha cabeça:

“Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no Universo...
Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não, do tamanho da minha altura...
Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.”

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema VII"
Heterónimo de Fernando Pessoa

fullsizeoutput_4088

Sigam as minhas viagens mais recentes nas stories e nos destaques do Instagram

Tchau!
Travellight

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.