Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

A LINHA DO EQUADOR

fullsizeoutput_1c37.jpeg

 

O equador é a linha imaginária que separa o hemisfério norte do hemisfério sul e atravessa o centro da Terra a uma latitude de exactamente zero graus. Na África, o equador percorre 4.020 quilómetros e atravessa sete países da África Ocidental, Central e Oriental: Gabão, República do Congo, República Democrática do Congo, Uganda, Quénia, Somália e São Tomé e Príncipe.

 

No passado, viajantes aventureiros, faziam a sua caminhada por África seguindo essa linha que atravessa alguns dos ambientes mais extremos da Terra - incluindo as selvas remotas do Congo, as montanhas enevoadas do Uganda e as águas profundas do maior lago de África, o Lago Victoria.

 

Eu adorava um dia seguir os passos desses grandes aventureiros mas África não é propriamente um dos Continentes mais fáceis de explorar 😳


Por isso, e por enquanto, dou-me bem por satisfeita de ter visitado o ilhéu das Rolas em São Tomé e Príncipe e ter visto ao vivo e a cores (e que cores 😊!) um dos mais belos marcadores equatoriais do Mundo.

 

fullsizeoutput_1c3a.jpeg

fullsizeoutput_1c3b (1).jpeg

 

O Padrão do Equador - erigido em 1936, a partir dos trabalhos geodésicos e astronómicos realizados por Gago Coutinho entre 1916 e 1918 em São Tomé - é um pequeno monumento que assinala a passagem da linha equatorial pelo Ilhéu das Rolas.


Estando no Ilhéu das Rolas é fácil de chegar até aqui, apesar de não haver (que eu visse) qualquer placa ou outra indicação. O trilho, de terra batida, começa perto da aldeia local e vai sempre a subir. Se tiverem dificuldades em encontrar o caminho basta perguntar a qualquer pessoa que esteja perto do cais ou da aldeia e eles gentilmente indicam ou acompanham-nos até lá acima.

 

 

PA012720.JPG

 

Se forem com um dos aldeões o percurso é bem mais divertido porque no caminho de certeza que ele vai falar-te sobre o seu modo de vida e mostrar-te as várias plantas locais e as suas aplicações medicinais.

 

Passados uns 25 minutos chegas ao Padrão que está a precisar de algum restauro mas continua muito bonito.

 

No chão está um mosaico que desenha o mapa mundo e mostra a linha que separa os dois hemisférios. No centro um pequeno pedestal homenageia o oficial da Marinha, navegante e historiador Português, Gago Coutinho, responsável pela determinação exacta daquele ponto.

 

PA012771 (1).JPG

 

As vistas a partir do Padrão também são maravilhosas, conseguimos ver a ilha de São Tomé à nossa frente e em baixo grande parte do Ilhéu das Rolas.

 

fullsizeoutput_1c3c.jpegPA012768.JPG

 

A posição do equador está directamente relacionada ao eixo rotativo da Terra, que se move ligeiramente ao longo do ano.

 

Portanto, o equador não é estático - o que significa que a linha desenhada no chão em alguns marcadores equatoriais nem sempre é inteiramente precisa. Isso pode explicar porque alguns turistas, usando a moderna tecnologia do GPS, dependendo da altura do ano em que fazem a visita, “queixam-se” que o local certo é um pouco mais à direita ou um pouco mais à esquerda, ao passo que outros verificam que é exactamente ali. No entanto, este é um detalhe técnico, e estes marcadores ainda são o mais próximo que temos do “meio” da Terra. E depois, é divertido dizer aos amigos que atravessamos o Equador e ficamos com um pé em cada hemisfério 😃.

 

fullsizeoutput_1c34.jpeg


“Percorrendo de lés a lés a ilha, Gago Coutinho conseguiu fixar em mapa, a que o tempo ainda não roubou valor, a fisionomia da ilha de S. Tomé; a exactidão com que trabalhou e a existência providencial de um ilhéu permitiram-lhe trazer, nesses anos recuados, contribuição valiosa para a ciência, de grande repercussão no estrangeiro ; é quando no ilhéu das Rolas e através de cálculos minuciosos determina a passagem «exacta» do equador. “- Francisco José Vasques Tenreiro

 

 

fullsizeoutput_1c35.jpeg

 

Tchau!

Travellight

POVO QUE LAVAS NO RIO

Olá amigos viajantes!

 

Estou de volta e completamente apaixonada pelo último destino que visitei: São Tomé e Príncipe.

 

Quem aqui vai sabe que mesmo depois do nosso regresso, estas Ilhas ficam para sempre no nosso coração 😍


Situadas ao longo da costa ocidental de África, estas antigas colónias Portuguesas, permanecem intocadas pelo turismo de massas, o que as transforma no lugar perfeito para umas férias descansadas e relaxantes.

 

Aqui podemos explorar florestas, trilhas e quedas de água, aproveitar praias desertas de areia branca e visitar antigas roças de cacau. Podemos provar o melhor chocolate do mundo e beber o delicioso e aromático café de São Tomé... Ahhh...ainda agora cheguei e já estou com saudades.

 

Mas melhor ainda, podemos mergulhar na cultura local e cumprimentar toda a gente com um “bom dia” para retribuir aqueles sorrisos imensos que nos abraçam com simpatia e calor.


Para além da boa disposição geral das pessoas, uma das coisas que mais chamou a minha atenção em São Tomé foi a maneira como a vida quotidiana parecia girar à volta dos rios.

 

Estes cursos de água são lugares divertidos, barulhentos e cheios de cor. As mulheres lavam ali a roupa, estendem-na ao milhar nas pedras, na relva, na terra, conversam, riem, partilham novidades.

 

 

fullsizeoutput_1c24.jpeg

 

Parece uma versão a cores do filme “Aldeia da roupa branca”. Quase que oiço a Beatriz Costa a cantar: 🎶 três corpetes, um avental, sete fronhas e um lençol, três camisas um enxoval que a freguesa deu ao rol 🎶 😃

 

fullsizeoutput_1c1d.jpegfullsizeoutput_1c0f.jpeg

 

Junto com as mulheres temos os miúdos que brincam, tomam banho, nadam, mergulham. É uma festa!

 

fullsizeoutput_1c17.jpeg

 

Um dos lugares que visitei e que melhor ilustra isto que vos digo, foi a praia da Pescada (penso que era este o nome, se não for peço a quem saiba que me corrija).

 

Maravilha da natureza este local consegue juntar no mesmo espaço (por esta ordem) cascatas, um rio e uma praia.

Toda a comunidade que vive ali à volta junta-se aqui. Uns lavam, outros brincam, outros vão pescar… É tão lindo, é mesmo um lugar incrível!

 

fullsizeoutput_1c23.jpeg

fullsizeoutput_1c18.jpeg

fullsizeoutput_1c14.jpeg

fullsizeoutput_1c13.jpeg

fullsizeoutput_1c15.jpeg

fullsizeoutput_1c16.jpeg

Por hoje fico por aqui. 

Amanhã há mais 😃

 

Tchau!

Travellight

A CASA DOS ESCRAVOS

Todos nós sabemos que infelizmente, este nosso mundo, o que tem de belo, tem de feio…

 

DSC01239.JPG

 

Uma visita a uma pequena ilha, situada a uma curta distancia de ferry de Dakar, capital do Senegal, foi para mim uma penosa recordação desse facto.

 

Listada como Património da Humanidade pela UNESCO, A Ilha de Gorée alberga hoje um museu que conta a terrível história do tráfico de escravos através do Atlântico.

 

A sua aparência bonita, com ruas pitorescas e sem carros não deixa perceber hoje, os horrores que aqui se passaram ao longo de três séculos, enquanto o comercio de escravos florescia e a ilha funcionava como um interposto comercial. Milhares, se não milhões, foram mantidos aqui antes de serem transportados para a Europa e para as Américas.

 

fullsizeoutput_1225.jpeg

fullsizeoutput_1226.jpeg

 

Portugueses, Holandeses, Franceses e Britânicos lutaram para ganhar o controle desta pequena ilha. Os Portugueses foram os primeiros a chegar. Por volta de 1444 batizaram a ilha como Ilha de Palma. Logo de seguida chegaram os Holandeses que a ocuparam e batizaram como a ilha Goe-ree, que significa “bom porto”.

 

Os Holandeses construíram dois fortes, um a norte e outro a sul da ilha para proteger o seu comércio no caminho de e para as Índias Ocidentais. Foi a partir daí, que Gorée transformou-se num armazém para comércio de mercadorias e escravos.

 

Visitar a Maison de Les Esclaves (Casa dos Escravos) é desconfortável... A casa, ironicamente cor-de-rosa, é um lembrete negro das atrocidades que o homem é capaz de cometer contra os seus semelhantes.

 

DSC01256.JPG

DSC01257.JPG

DSC01245.JPG

 

A descrição de como os escravos eram tratados é difícil de ouvir. Já li livros e vi filmes e séries que retratavam a escravatura, mas estar num local onde todos esses horrores se passaram é outra coisa. Contam-nos como os escravos eram acorrentados no pescoço e nos braços e libertados apenas uma vez por dia das suas celas, estreitas, escuras e claustrofóbicas, cada uma ocupada por mais de 15 homens. Os doentes e os mortos eram atirados ao mar e serviam de comida para os tubarões. As famílias eram divididas e os escravos eram mantidos aqui em condições desumanas por até três meses. Até serem vendidos.

 

DSC01259.JPG

 

Mostram-nos uma porta chamada de “a porta sem retorno” por onde os escravos passavam para embarcar nos barcos que os levavam para longe da sua terra natal. E tu imaginas o medo e o receio que aquelas pessoas deviam de sentir sem saber para onde iam e que mais torturas e abusos lhes esperavam.

 

DSC01261.JPG


As condições nos barcos eram ainda piores do que na ilha. Acredita-se que milhões morreram antes de chegar ao destino previsto.

 

Percorrer aquela casa e imaginar todo aquele horror e desespero deu-me arrepios e vontade de chorar, mais ainda porque passados todos estes anos, nós humanos continuamos capazes de ter comportamentos tão ou mais cruéis….


À saída do museu está uma estátua de dois escravos celebrando a liberdade. Sorrio e dou graças a Deus por ser livre e por poder deixar para trás aquele lugar com tão más vibrações e dolorosas memórias.

 

fullsizeoutput_1227.jpeg

 


“A liberdade é indivisível, e quando um homem é escravizado nenhum de nós é livre.” - John F. Kennedy

 

Sigam as minhas mais recentes aventuras no Instagram e no Facebook

 

Tchau!

Travellight

AMANHECER

Eram 04:30 da manhã quando o despertador tocou.

 

Sempre tive muito mau acordar e regra geral resmungo para sair da cama, mas naquela manhã pulei para fora sem grande esforço.

 

Afinal não é todos os dias que acordas no Serengeti e sais para ver a vida selvagem desenrolar-se ao vivo e a cores frente aos teus olhos.

 

Este parque é a reserva mais popular da Tanzânia e o lugar que enche os sonhos daqueles que querem visitar a savana africana.

IMGP4516.JPG

 

“Armada” com a minha câmara saí do quarto de hotel e dirige-me ao local combinado onde um guia já me esperava para seguirmos caminho.

 

Ao longo de dois dias iria percorrer vários trilhos dentro do parque em busca de animais para fotografar e observar. Estávamos na época da grande migração e as perspectivas de ver todos os 5 grandes eram boas.

 

Para quem não sabe, os 5 grandes são o leão, o elefante africano, o búfalo-africano, o leopardo e o rinoceronte - Os cinco mamíferos selvagens de grande porte mais difíceis de serem caçados pelo homem. A expressão “os 5 grandes” generalizou-se e hoje é usada pelos guias locais também nos safaris fotográficos e de observação.

 


As pessoas que conduzem estes safaris são muito profissionais e tomam todos os cuidados para que nenhum acidente aconteça.


Eu acho que desde que haja bom senso e respeito pelo espaço dos animais não há como algo correr mal.

 

Todavia devo confessar que no inicio do safari, quando o jipe sai de noite e avança na total escuridão - e tu ouves uma série de ruídos estranhos que não consegues identificar - não é difícil acreditar que algo pode correr mal sim.


Afinal nós não conseguimos ver bem no escuro e podemos parar num local, pensando que não estamos a incomodar ninguém, e um leão discordar de nós. O território é deles, nós somos só visita, convém nunca esquecer.

 

Para reduzir o risco de incidentes os veículos que operam no Serengeti são obrigados a permanecer dentro das estradas existentes no parque para garantir que os animais não são muito perturbados. Embora isso possa limitar a nossa chance de chegar perto dos animais, é menos intrusivo.

 

São 06:30 e os primeiros raios de sol rompem o horizonte. É ao amanhecer que a savana mostra todo o seu esplendor. Os medos próprios da noite dissipam-se e um sentimento de gratidão invade o meu coração. Que bênção poder estar ali naquele momento… Assistir aquele espectacular nascer do sol, ver a savana a ganhar cor, a ganhar vida!

 

fullsizeoutput_1186.jpeg

Um grupo de girafas aparece a pastar mesmo na frente do jipe e ao longe conseguimos ver uma manada de zebras.

 

fullsizeoutput_1189.jpeg

fullsizeoutput_118e.jpeg

 

Vai ser um bom dia 😊

 

fullsizeoutput_118a.jpeg

Sigam as minhas aventuras mais recentes no Instagram e no Facebook

 

Tchau!

Travellight

 

 

A SESTA DO REI LEÃO

Olá amigos viajantes,

 

Recentemente voltei à Tanzânia para um safari fotográfico e vim de lá com muitas memórias especiais que aos poucos irei partilhar convosco.

IMG_2269.JPG

Sabem... a sensação de estar num safari é difícil de descrever.

 

Há algo de tremendamente excitante em partir de madrugada por uma savana imensa em busca da vida animal que habitualmente só vemos na televisão ou encerrada num jardim zoológico.

 

Um arrepio atravessa-te a espinha quando estás sentada num jeep e a poucos metros de distância tens um leão do Serengeti a olhar para ti.

 

Quando um felino deste porte aparece na tua frente, o tempo parece que pára e tu nem respiras, tentando aproveitar o momento.

 

Alguns (mais sensatos) ficam receosos - afinal é um animal selvagem com o poder de acabar connosco em menos de um minuto. Outros (como a maluca aqui) ficam maravilhados com a oportunidade de fotografar e estar tão perto de um animal tão majestoso.

IMG_2278.JPG

   O jovem leão não estava nada interessado em tirar uma selfie comigo (reparem como ele escondeu a cara) 😜 

 

Dizem que os gatos têm nove vidas, mas o mesmo não se pode dizer sobre o leão do Serengeti. A vida é dura e precária nesta paisagem implacável, e para o maior dos predadores africanos, bem como para as suas presas, a vida tende a ser bem mais curta, terminando mais frequentemente de forma abrupta do que em declínio gracioso.

 

Disseram-me que um leão macho adulto, se for afortunado pode alcançar, no máximo, a idade de 12 anos, não mais do  que isso.

 

Stress portanto não falta a estes animais, que assim como nós, também devem precisar de tirar uns momentos para relaxar. Como este jovem leão que eu fotografei a subir a uma árvore para fazer uma sesta 😊

 

IMG_7138.JPG

IMG_7140.JPG

IMG_7141.JPG

Digam lá se não é uma ternura? Parece mesmo o gatinho lá de casa não é? 😻

 

Sigam as minhas aventuras mais recentes no Instagram e no Facebook

 

Tchau!

Travellight

 

 

 

MY TRAVEL WISH LIST | THE DEVIL' S POOL

Olá amigos viajantes!

 

Já tinham ouvido falar em The Devil's Pool (A Piscina do Diabo)?  

 

Esta é a mais incrível piscina natural do mundo!

 

5704a3371e000087007064d3.jpeg

  Foto by MICHAEL BAYNES VIA GETTY IMAGES

 

Este sitio inacreditável surge a cada ano na margem de Victoria Falls, na fronteira da Zâmbia com o Zimbabué, quando a estação seca reduz os níveis de água criando uma borda rochosa que impede quem lá estiver de ser arrastado pela força do Rio Zambeze para uma queda de água de mais de 100 metros.

 

devils-pool-4.jpg 

Centenas de aventureiros à procura de emoções fortes e uma injecção de adrenalina rumam a este local para desafiar a natureza e tirar fotos incríveis.

 

Apesar da aparência assustadora é possível chegar até à ponta do precipício de forma suave e apoiado por cordas. Os mais destemidos (loucos) optam por saltar.

 

Este sitio está na minha lista há algum tempo, só não sei se vou ter "tomates" de lá ir! 😜

 

images.jpeg

Enquanto não ganho coragem para visitar a piscina do diabo sigam as minhas mais recentes aventuras no Instagram e no Facebook!

 

Tchau!

Travellight