Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

A CASA DOS ESCRAVOS

Todos nós sabemos que infelizmente, este nosso mundo, o que tem de belo, tem de feio…

 

DSC01239.JPG

 

Uma visita a uma pequena ilha, situada a uma curta distancia de ferry de Dakar, capital do Senegal, foi para mim uma penosa recordação desse facto.

 

Listada como Património da Humanidade pela UNESCO, A Ilha de Gorée alberga hoje um museu que conta a terrível história do tráfico de escravos através do Atlântico.

 

A sua aparência bonita, com ruas pitorescas e sem carros não deixa perceber hoje, os horrores que aqui se passaram ao longo de três séculos, enquanto o comercio de escravos florescia e a ilha funcionava como um interposto comercial. Milhares, se não milhões, foram mantidos aqui antes de serem transportados para a Europa e para as Américas.

 

fullsizeoutput_1225.jpeg

fullsizeoutput_1226.jpeg

 

Portugueses, Holandeses, Franceses e Britânicos lutaram para ganhar o controle desta pequena ilha. Os Portugueses foram os primeiros a chegar. Por volta de 1444 batizaram a ilha como Ilha de Palma. Logo de seguida chegaram os Holandeses que a ocuparam e batizaram como a ilha Goe-ree, que significa “bom porto”.

 

Os Holandeses construíram dois fortes, um a norte e outro a sul da ilha para proteger o seu comércio no caminho de e para as Índias Ocidentais. Foi a partir daí, que Gorée transformou-se num armazém para comércio de mercadorias e escravos.

 

Visitar a Maison de Les Esclaves (Casa dos Escravos) é desconfortável... A casa, ironicamente cor-de-rosa, é um lembrete negro das atrocidades que o homem é capaz de cometer contra os seus semelhantes.

 

DSC01256.JPG

DSC01257.JPG

DSC01245.JPG

 

A descrição de como os escravos eram tratados é difícil de ouvir. Já li livros e vi filmes e séries que retratavam a escravatura, mas estar num local onde todos esses horrores se passaram é outra coisa. Contam-nos como os escravos eram acorrentados no pescoço e nos braços e libertados apenas uma vez por dia das suas celas, estreitas, escuras e claustrofóbicas, cada uma ocupada por mais de 15 homens. Os doentes e os mortos eram atirados ao mar e serviam de comida para os tubarões. As famílias eram divididas e os escravos eram mantidos aqui em condições desumanas por até três meses. Até serem vendidos.

 

DSC01259.JPG

 

Mostram-nos uma porta chamada de “a porta sem retorno” por onde os escravos passavam para embarcar nos barcos que os levavam para longe da sua terra natal. E tu imaginas o medo e o receio que aquelas pessoas deviam de sentir sem saber para onde iam e que mais torturas e abusos lhes esperavam.

 

DSC01261.JPG


As condições nos barcos eram ainda piores do que na ilha. Acredita-se que milhões morreram antes de chegar ao destino previsto.

 

Percorrer aquela casa e imaginar todo aquele horror e desespero deu-me arrepios e vontade de chorar, mais ainda porque passados todos estes anos, nós humanos continuamos capazes de ter comportamentos tão ou mais cruéis….


À saída do museu está uma estátua de dois escravos celebrando a liberdade. Sorrio e dou graças a Deus por ser livre e por poder deixar para trás aquele lugar com tão más vibrações e dolorosas memórias.

 

fullsizeoutput_1227.jpeg

 


“A liberdade é indivisível, e quando um homem é escravizado nenhum de nós é livre.” - John F. Kennedy

 

Sigam as minhas mais recentes aventuras no Instagram e no Facebook

 

Tchau!

Travellight

4 comentários

Comentar post