Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

The Travellight World

Inspiração, informação e Dicas de Viagem

FOTOS COM HISTÓRIA E POESIA I AMAR!

fullsizeoutput_10dc.jpeg

Fotografei este casal apaixonado na margem do rio Tejo em Lisboa, numa manhã de Sábado fria e nublada.

 

Parece que não há nada melhor que o amor para nos aquecer não é? 😊   

 

 

"AMAR!

Florbela Espanca

 

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...
Amar! Amar! E não amar ninguém!

 

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

 

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

 

E se um dia hei de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar... "

FOTOS COM HISTÓRIA E POESIA I CAIS

fullsizeoutput_1080.jpeg

 

Esta foto foi tirada ao entardecer em Nyhavn, em Copenhaga na Dinamarca.

 

Esta zona, antigo porto comercial, foi hoje convertida em zona de lazer. As velhas casas foram renovadas e são agora restaurantes.

 

Nyhavn está repleta de pessoas que diariamente aproveitam o ambiente descontraído do canal.

 

Eu era mais uma dessas pessoas que ao entardecer aproveitava a música jazz e a excelente comida quando observei uma largada de balões de ar quente sobre as docas. Este pequeno detalhe transformou o cenário, já de si belo, num dos momentos mais inesquecíveis da minha visita a Copenhaga.

 

 

" CAIS

  Fernando Namora

 

Ténue é o cais 

no Inverno frio.


Ténue é o voo 

do pássaro cinzento. 

 

Ténue é o sono

que adormece o navio.

 

No vago cais 

do balouço da bruma 

ténue é a estrela 

que um peixe morde. 

 

Ténue é o porto

nos olhos do casario. 

Mas o que em fora nos dilui 

faz-nos exactos por dentro."

 

FOTOS COM HISTÓRIA E POESIA I GATO QUE BRINCAS NA RUA

fullsizeoutput_104c.jpeg

fullsizeoutput_104b.jpeg

 

Fotografei este gatinho em Mértola, Alentejo.

 

Ele estava tão absorvido a observar um passarinho que cantava na árvore que nem reparou que outro pássaro pousara mesmo ao seu lado e o engraçado é que este pássaro também ficou a olhar para o que estava em cima da árvore 😀.

 


"Gato que brincas na rua

Fernando Pessoa

 

Gato que brincas na rua

Como se fosse na cama,

Invejo a sorte que é tua

Porque nem sorte se chama.

 

Bom servo das leis fatais

Que regem pedras e gentes,

Que tens instintos gerais

E sentes só o que sentes.

És feliz porque és assim,

Todo o nada que és é teu.

Eu vejo-me e estou sem mim,

Conheço-me e não sou eu. "

FOTOS COM HISTÓRIA E POESIA I CISNE

34790035.jpg

Esta foto foi tirada numa manhã bem fria no Palácio Nymphenburg, em Munique, Alemanha.


A neve que tinha caído na noite anterior transformou este belo cenário num autêntico postal de Inverno.

 

Cisne

Pedro Homem de Mello, in "Adeus"

 

Amei-te? Sim. Doidamente!
Amei-te com esse amor
Que traz vida e foi doente...

 

À beira de ti, as horas
Não eram horas: paravam.
E, longe de ti, o tempo
Era tempo, infelizmente...

 

Ai! esse amor que traz vida,
Cor, saúde... e foi doente!

 

Porém, voltavas e, então,
Os cardos davam camélias,
Os alecrins, açucenas,
As aves, brancos lilases,
E as ruas, todas morenas,
Eram tapetes de flores
Onde havia musgo, apenas...

 

E, enquanto subia a Lua,
Nas asas do vento brando,
O meu sangue ia passando
Da minha mão para a tua!

Por que te amei?


                           — Ninguém sabe


A causa daquele amor
Que traz vida e foi doente.

 

Talvez viesse da terra,
Quando a terra lembra a carne.
Talvez viesse da carne
Quando a carne lembra a alma!
Talvez viesse da noite
Quando a noite lembra o dia.

 

— Talvez viesse de mim.
E da minha poesia...

 

FOTOS COM HISTÓRIA E POESIA I O ANJO

IMG_0587.jpg

Tirei esta foto em São Petersburgo, Russia durante as celebrações das Noites Brancas.

 

A cidade não dorme durante estes dias em que o sol (quase) não se põe.

 

Eventos culturais ocorrem por toda a parte  e anjos percorrem as ruas... 

 

 

 

Anjo És

Almeida Garrett, in 'Folhas Caídas'

 

Anjo és tu, que esse poder
Jamais o teve mulher,
Jamais o há-de ter em mim.
Anjo és, que me domina
Teu ser o meu ser sem fim;
Minha razão insolente
Ao teu capricho se inclina,
E minha alma forte, ardente,
Que nenhum jugo respeita,
Covardemente sujeita
Anda humilde a teu poder.
Anjo és tu, não és mulher.

 

Anjo és. Mas que anjo és tu?
Em tua fronte anuviada
Não vejo a c'roa nevada
Das alvas rosas do céu.
Em teu seio ardente e nu
Não vejo ondear o véu
Com que o sôfrego pudor
Vela os mistérios d'amor.
Teus olhos têm negra a cor,
Cor de noite sem estrela;
A chama é vivaz e é bela,
Mas luz não têm. - Que anjo és tu?
Em nome de quem vieste?
Paz ou guerra me trouxeste
De Jeová ou Belzebu?

 

Não respondes - e em teus braços
Com frenéticos abraços
Me tens apertado, estreito!...
Isto que me cai no peito
Que foi?... - Lágrima? - Escaldou-me...
Queima, abrasa, ulcera... Dou-me,
Dou-me a ti, anjo maldito,
Que este ardor que me devora
É já fogo de precito,
Fogo eterno, que em má hora
Trouxeste de lá... De donde?
Em que mistérios se esconde
Teu fatal, estranho ser!
Anjo és tu ou és mulher?

 

 

FOTOS COM HISTÓRIA E POESIA I BICHO DE ESTIMAÇÃO

IMG_1588.jpg

Um dia passeando por terras de Zanzibar deparei-me com esta cena adorável:

A descansar na frente de uma casa de família estava não um cão ou um gato mas sim uma pequena cabrinha.

 

 

Lembro-me de ter rido e pensado de mim para mim "cada um pode escolher o animal de estimação que quer, uns tem um gato outros tem uma cabra" 😜

 

BICHO DE ESTIMAÇÃO

Guilherme Ferreira Aniceto


Crio dentro de mim um animal de estimação.
Ele não late, não mia, não pia, não faz barulho algum.
É tão pequeno que não cabe na visão.
É um bicho sentimental e genioso.
E eu o alimento, porque não aguento quando ele começa a chorar.
Sou manteiga derretida.


É meu amigo de data mais longa.
Nasceu comigo, mas não morrerá comigo.
Quando eu me for, ele viverá no amigo.
Viverá na família: nos filhos, nos irmãos.
Meu bicho de estimação não se apega à reputação.
Consome as minhas entranhas, como a criança devora o doce.
É feroz, ávido por comer-me a alma até a última migalha.
E, por mais que esse bicho seja assim tão difícil de se criar, eu o nutro.
Porque aprendi a amá-lo.


É meu algoz e também é minha força motriz.
Me faz chorar e também me deixa feliz.
Me põe irritadiço e também me acalma
O bicho no pé da minha alma.
Crio um animal de estimação dentro de mim.


É um poema, uma obra que não há de sair do eu-lírico.
Há de permanecer no eu-onírico.
É meu poema mais bonito, escrito enquanto eu vivo.
Quando eu me for, será a flor do meu túmulo, os dizeres da minha lápide.
Quando eu me for, será o guardião do meu sono.
Quando eu me for, será a memória e a saudade.
O bicho no pé da minha alma será o que de mim restará.
Para desenterrar-me, não será preciso pá.
Basta encontrá-lo, encará-lo, decifrá-lo.
O bicho no pé da minha alma é meu poema não resolvido.

FOTOS COM HISTÓRIA E POESIA I A CANOA E O RIO

 

IMGP1734.jpg

 

Tirei esta foto no Canal Cumbarjua, em Goa, na India.

Foi neste canal que liga os rios Zuari e Mandovi que vi pela primeira vez crocodilos no seu habitat natural. Lembro-me perfeitamente da excitação que senti quando o rapaz que conduzia a canoa apontou para um destes enormes repteis que descansava perto da margem ao sol.  

Guardo por isso com carinho a lembrança deste passeio de canoa.

 

 

A CANOA E O RIO

(Elsa Isabel Bornemann)

 

Contam que era branca

e que amava o Rio
e que ele o esperava
se tarde, pelas cinco.

Ela uma canoa,
e ele um verde rio...
Ela de madeira
e Ele de junco e brilho

Contam que se amavam
tal como duas crianças
que em cada encontro
os espiava um grilo.

Ela com seu brasos
de remos antigos,
doce, acariciava
sua face de vidro.
E Ele com seus labio de agua morna
toda a canoa beija as cinco.

Contam que em uma tarde
de cor de tijolo
a canoa branca
não vinha...não vinha
louco de tristeza
chamava o rio
por toda a costa
espalhou seu grito

e se ouvi-lo
um pecador leva-la
em direção a outro rio.

Contam, que
nas tardes, á cinco
os lábios de agua ficam frios,
buscam a canoa
e seus remos antigos...
e choram de saudades
e extranga o grilo.

FOTOS COM HISTÓRIA E POESIA | I AM YOUR SPY

IMGP3538.jpg

Fotografei este pequeno macaco sagui a espiar as pessoas na piscina do Hotel Tivoli Eco Resort na Praia do Forte, Brasil.

 

Ao contrário dos outros macacos que viviam no local e que facilmente se deixavam fotografar, este em particular, escondia-se atrás da palmeira sempre que eu lhe apontava a camara, quase como se estivesse a brincar comigo.

 

Foi preciso algum tempo mas consegui apanha-lo e até hoje esta simples foto é uma das minhas fotografias  preferidas de viagem.

 

 

I Am Your Spy

Mordechai Vanunu

(excerto do poema)

 

"Rise and cry out. Rise and tell the people. You can.
I, the bolt, the technician, mechanic? -- Yes, you.
You are the secret agent of the people. You are the eyes of the nation.
Agent-spy, tell us what you've seen. Tell us what the insiders, the clever ones, have hidden from us.
Without you, there is only the precipice. Only catastrophe.

I have no choice. I'm a little man, a citizen, one of the people,
but I'll do what I have to. I've heard the voice of my conscience
and there's nowhere to hide.
The world is small, small for Big Brother.
I'm on your mission. I'm doing my duty. Take it from me.

Come and see for yourselves. Lighten my burden. Stop the train.
Get off the train. The next stop -- nuclear disaster. The next book,
the next machine. No. There is no such thing."

FOTOS COM HISTÓRIA E POESIA - JARDINEIRO DE SI

IMGP7775.jpg

 

No dia em que fui visitar as ruínas do Templo de Angkor Wat em Siem Reap, no Cambodja, passei, na saída do hotel onde estava hospedada, por um lago onde este jardineiro limpava cuidadosamente as folhas de lótus. 

 

A cena tocou-me porque os povos orientais possuem a crença que a flor de lótus é um sinal de espiritualidade, pois eles acreditam que a planta só desabrocha na Terra, após ter ocorrido o nascimento da mesma no âmbito espiritual.

A flor de lótus representa a pureza, pois segundo os orientais, essa espécie vegetal surge limpa e pura, do centro das águas cheias de lama. O jardineiro pareceu-me assim cuidar não apenas das plantas mas também do espirito. 

 

"Jardineiro de si 

de Paulo Roberto Cunha e Ana Lúcia Souza Cruz

 

Nuvens negras
de um passado
quase esquecido
rondam...

Os sinos da igreja
anunciam o fim de mais um dia
Respira fundo, engole seco...
Amargura! 

Manhã que chega
em meio à quietude...
Novas lidas,
velhas decepções.

Perpétua solidão.
Lodo amor que pulsa...
Charco coração
em busca.

É dele
o broto (lótus) 
a linda flor...

E o jardineiro
se reconhece,
se reconhece em flor...
Simplesmente para 
sorrir do amor."



FOTOS COM HISTÓRIA E POESIA - REVOLUÇÃO

IMG_4353.jpg

Passeando pelas ruas da cidade de Estelí, terceira maior cidade da Nicarágua, encantei-me com este mural de Che Guevara, que ao lado de uma simples banca de frutas, evocava todo o passado revolucionário do país. 

 

"REVOLUÇÃO"

Agostinho da Silva

 

Pena que as revoluções 

não as façam os tiranos
se fariam bem em ordem
durariam menos anos

liberdade sairia
como verba de orçamento
e se houvesse qualquer saldo
se inventava suplemento

pagamento em dia certo
daria para isto aquilo
o que sobrasse guardado
de todo o assalto a silo

mas o que falta aos tiranos
é só imaginação
e o jeito na circunstância
é mesmo a revolução.